Buscar
  • Nutricionista Gisele Assumpção

Perder peso x emagrecer: você sabe a diferença?

Atualizado: Fev 4

Para entendermos a diferença entre perder peso e emagrecer primeiramente precisamos ter em mente que o nosso peso corporal é composto, basicamente, por massa gorda e massa livre de gordura.


A massa gorda é constituída exclusivamente por tecido adiposo, enquanto a massa livre de gordura é constituída de água e tecidos metabolicamente ativos (os demais órgãos). O somatório deles forma nosso peso corporal.


Então, imaginemos o seguinte cenário: você se pesa hoje e na balança marca 68 quilos. Depois de uma semana você sobe novamente na balança e está pesando 65 quilos. Ou seja, em uma semana você perdeu 3 quilos. Mas isso não quer dizer necessariamente que você emagreceu e, sim, perdeu peso.


Como assim?


Emagrecer significa tornar-se mais magro. Ou melhor dizendo: ter mais massa magra no corpo. Quando você perde peso muito rápido, está perdendo água e músculo, ou seja, perdendo massa livre de gordura.


E como podemos conseguir emagrecer?


Diminuindo a quantidade de massa gorda e aumentando a quantidade de massa magra no nosso organismo.


Porém, o processo de emagrecimento não é tão rápido e tão fácil, pois necessita de uma série de mudanças no nosso estilo de vida. E mudar nossa relação com a alimentação pode ser o primeiro passo. E isso não quer dizer que devemos nos privar de comer, mas sim, entender o porquê comemos o que comemos. E, a partir daí, pensarmos em estratégias para mudança de comportamento em relação à alimentação.


O mais importante sobre essa mudança de comportamento é que ela deve ser sustentável. Para isso, começando devagar. Traçando pequenas metas, sem apelar para o radicalismo. Como exemplo, pense o seguinte: você adora comer pão, mas quer emagrecer, então resolve cortar de vez esse alimento. Mas qual a chance de você ficar um longo período de tempo sem o pão? Portanto, o emagrecimento sustentável deve ser aquele conseguido através de mudanças que serão mantidas.





E como iniciar esse processo de mudança de comportamento?


O primeiro passo é entender o que nos leva a comer o que comemos. Para isso, é importante frisar que a alimentação envolve sentimentos e configura um ato social. Portanto, é aconselhável que as mudanças ocorram de forma lenta e gradativa para que sejam passíveis de serem colocadas em práticas. Abaixo, alguns passos para iniciar:


  • Preste atenção se a sua fome é física ou se é emocional. É importante identificar para que não use a comida para lidar com as emoções.

  • Dietas não funcionam. Nesse contexto, tente não se deter na ideia de alimentos “permitidos” ou “proibidos” e, sim, priorizar o equilíbrio entre eles. Tendo uma alimentação saudável e variada, preferindo os alimentos in natura e minimamente processados.

  • Exercite-se, sempre que puder. Se não é um hábito ainda, comece devagar. Optando por pequenas caminhadas.


Para saber mais, você pode entrar em contato pelo telefone (48) 98500-7898 ou pelo e-mail giseleassumpcaovieira@gmail.com


Fonte: Atalla, Marcio. Coelho, Desire. A dieta ideal: sem mitos, sem milagres, sem terrorismo. 1º edição. São Paulo: Paralela, 2015.


48 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo